As medidas da UE para reduzir o desemprego dos jovens

30/11/2018

A União Europeia (UE) lançou uma série de iniciativas que visam reduzir o desemprego entre os jovens e o Parlamento Europeu está a exigir mais fundos no orçamento da UE para 2019 para Programas como o Erasmus+ e a Iniciativa para o Emprego dos Jovens.

O desemprego dos jovens continua a ser uma preocupação fundamental na Europa, já que estão entre os mais atingidos pela crise económica e financeira.

A taxa de desemprego entre os 15 e os 24 anos na UE aumentou de 15% em 2008 para 24% no início de 2013, com picos na Grécia (60%), Espanha (56,2%), Croácia (49,8%), Itália (44,1 %) e em Portugal (40,7%).

Enquanto a taxa de desemprego juvenil caiu de um pico de 24% em 2013 para 15,1% em maio de 2018, a proporção de jovens entre os 15 e 24 anos sem trabalho, sem estarem a estudar ou em formação caiu de 13,2% em 2012 para 10,9% em 2017, permanecendo maior do que na população geral.

 

INICIATIVAS DA UE PARA AJUDAR OS JOVENS

Tanto a Garantia para a Juventude como a Iniciativa para o Emprego dos Jovens concentram-se nos jovens que não trabalham, não estudam, nem frequentam uma formação, onde inclui os desempregados de longa duração e os que não estão inscritos nos centros de emprego.

Os países da UE concordaram, em 2013, lançar o programa Garantia para a Juventude, uma iniciativa da UE para dar a todos os menores de 25 anos uma oferta de emprego de boa qualidade, educação contínua, aprendizagem ou estágio num período de quatro meses após ficarem desempregados ou abandonarem o ensino regular.

A Iniciativa para o Emprego dos Jovens é um instrumento fundamental da UE para ajudar a financiar medidas e programas implementados pelos Estados-Membros para levar a cabo esquemas da Garantia para a Juventude, tais como formação e assistência para os jovens encontrarem o seu primeiro emprego, juntamente com incentivos para os empregadores.

A iniciativa visa zonas da União que têm uma taxa de desemprego jovem acima de 25%. Isto aplica-se a mais de 120 regiões em 20 países, incluindo a Irlanda e o Reino Unido.

Segundo a Comissão Europeia, mais de cinco milhões de jovens inscreveram-se, anualmente, nos projetos de Garantia para a Juventude, enquanto a Iniciativa para o Emprego dos Jovens apoiou diretamente mais de 1,7 milhões de jovens.

A plataforma da Aliança Europeia para a Aprendizagem foi igualmente lançada para apoiar a Garantia para a Juventude e melhorar a qualidade de aprendizagem na Europa.

A fim de proporcionar aos jovens a possibilidade de adquirir uma experiência de trabalho de alta qualidade em condições seguras e justas, aumentando simultaneamente a sua empregabilidade, em 2014 os Estados-Membros chegaram a acordo sobre um Quadro de Qualidade para os estágios.

O teu primeiro emprego EURES (YfEj) pretende promover a mobilidade laboral, sensibilizando os jovens para as oportunidades de emprego noutros países da UE.

Uma plataforma reúne os currículos de jovens candidatos a emprego – com idades entre os 18 e os 35 anos, de todos os 28 países da UE, incluído a Noruega e a Islândia, interessados ​​em encontrar uma experiência profissional no estrangeiro – e vagas de emprego/estágio de empregadores que procuram jovens trabalhadores.

Em setembro o Parlamento Europeu votou a favor da criação de um quadro jurídico para o Corpo Europeu de Solidariedade, que visa criar oportunidades para os jovens se voluntariarem ou trabalharem em projetos relacionados com a solidariedade, beneficiando comunidades e pessoas em toda a Europa.

 

 

Fonte: Parlamento Europeu