Campanha #investEU: empresa de Condeixa é exemplo de investimento da UE

21/04/2017

No âmbito da campanha #investEU no próximo dia 24 de abril, Sofia Colares Alves, Representante da Comissão Europeia em Portugal, estará em Condeixa para explicar os benefícios do investimento europeu e para conhecer o impacto desse investimento na empresa DOMINÓ.

A DOMINÓ, com sede em Condeixa, é um exemplo do relançamento da indústria cerâmica com apoios da União Europeia. Com 180 funcionários, a empresa passou por dificuldades durante a crise. Soube manter empregos e salários, e exporta agora 65% da produção para 60 mercados; produz – num dia de produção mais intenso – 14 mil m2 de revestimentos e pavimentos. Esta PME superou o difícil contexto económico e financeiro português do período da recessão e elevou o seu negócio ao investir em exportação e tecnologia.

A Chefe da Representação da Comissão Europeia, Sofia Colares Alves, e o presidente da Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova, Nuno Moita da Costa, serão recebidos por João José Xavier, CEO da Dominó, para conhecer o impacto real dos Fundos da União Europeia na empresa.


PROGRAMA

11h00Praça da República, Condeixa-a-Nova – A Chefe da Representação da Comissão Europeia, Sofia Colares Alves, e o presidente da Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova, Nuno Moita da Costa, divulgam a iniciativa europeia #investEU, que materializa a prioridade número um da Comissão Europeia – Investimento que fomente crescimento, emprego e inovação. O evento contará com a presença de empresários, académicos, investigadores e representantes de associações locais e nacionais.

11h30 – A Chefe da Representação da Comissão Europeia, Sofia Colares Alves, e o presidente da Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova, Nuno Moita da Costa, visitam a Dominó, Indústrias Cerâmicas (Zona Industrial de Condeixa, 3150-194 Condeixa-a-Nova).

Os eventos são abertos à imprensa, devendo os jornalistas confirmar a participação para raquel-maria.patricio-gomes@ec.europa.eu .

 

PLANO JUNCKER - INVESTIMENTO PARA A EUROPA 

Mesmo durante os mais difíceis anos de crise, o financiamento e o apoio da União Europeia estiveram sempre presentes. E esse financiamento foi decisivo para que muitas empresas conseguissem manter empregos, ultrapassar desafios, inovar e modernizar os seus modelos de negócio. Isto significa crescimento económico para cada uma dessas empresas e para o país.

Até agora Portugal viu 13 projetos aprovados no âmbito do FEIE - Fundo Europeu de Investimentos Estratégicos, pilar financeiro do Plano Juncker - Investimento para a Europa, e foram acordados financiamentos a numerosas PME - Pequenas e Médias Empresas.

O Plano de Investimento para a Europa visa eliminar os obstáculos ao investimento, dar visibilidade e prestar apoio técnico aos projetos de investimento e utilizar de forma mais inteligente os recursos financeiros novos ou existentes. Para alcançar estes objetivos, o plano prevê mobilizar investimentos de, pelo menos, 315 mil milhões de euros em três anos até 2017; apoiar o investimento na economia real; e criar um ambiente favorável ao investimento;

Dada a resposta positiva da economia europeia ao Plano de Investimento a Comissão propôs ao Conselho o aumento da sua capacidade até 500 mil milhões de euros e a sua extensão até 2020.

O Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE) contribui para o financiamento de projetos de infraestruturas e de inovação, de PME e de empresas de média capitalização. A mobilização de capital privado é uma característica fundamental do FEIE. O Plano de Investimento já começou a dar resultados com vários projetos em todos os setores e países.

O FEIE, que é o motor do Plano de Investimento para a Europa, visa colmatar as atuais deficiências do mercado, preenchendo as lacunas detetadas e mobilizando o investimento privado. O FEIE apoiará investimentos estratégicos em domínios fundamentais, como a educação, a investigação e a inovação, bem como o financiamento de risco para as pequenas empresas e infraestruturas.

O Plano de Investimento para a Europa é constituído por três pilares:

  • O primeiro consiste no Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos, que fornece uma garantia da UE para mobilizar o investimento privado.

  • O segundo consiste na Plataforma Europeia de Aconselhamento ao Investimento e no Portal Europeu de Projetos de Investimento, que, ao prestarem assistência técnica e ao darem maior visibilidade às oportunidades de investimento, contribuem para que os projetos de investimento cheguem à economia real.

  • O terceiro reside na eliminação dos obstáculos não financeiros, regulamentares ou outros, ao investimento, tanto ao nível nacional como ao nível da UE.

Para tirar o máximo partido das oportunidades do FEIE, os potenciais beneficiários podem recorrer:

 

 

Fonte: RAPID-CE