CE vai ser acionista de 'startups' europeias

19/03/2019

A Comissão Europeia (CE) vai investir dois mil milhões de euros para criar um Conselho Europeu da Inovação, projeto que vai tornar Bruxelas acionista de 'startups' e PME - Pequenas e Médias Empresas na União Europeia (UE), captando ainda novas ideias.

Em causa está o projeto-piloto que arrancou esta segunda-feira, estabelecendo que a Comissão Europeia possa "entrar no capital das empresas, comprando ações dessa empresa e ficando um acionista", afirmou o comissário europeu Carlos Moedas, gestor do Programa Horizonte 2020 para as áreas da Investigação, Ciência e Inovação.

Frisando ser "a primeira vez" que Bruxelas dá passos para fazer investimentos diretos no sector privado, o responsável observou que o programa muda, assim, a forma como são financiadas as 'startups' e as Pequenas e Médias Empresas (PME) na UE, o que até agora era feito apenas à base de bolsas.

"Isso traz uma grande vantagem: é que se aquela inovação funcionar, nós depois podemos também receber o valor dessas ações, que vão aumentar, e ao receber esse dinheiro podemos financiar outros [projetos] que não poderiam ser financiados se só tivéssemos bolsas", adiantou Carlos Moedas.

Para entrar na estrutura das companhias, a Comissão Europeia vai criar, em conjunto com o Banco Europeu de Investimento e o Fundo Europeu de Investimento, uma entidade "para fazer esses investimentos".

"Ainda não definimos exatamente como vamos entrar no capital das empresas, mas não queremos ser um acionista típico, portanto é uma percentagem para ajudar a empresa e até para atrair outros investidores", referiu o comissário europeu.

A partir desta segunda-feira, Bruxelas está, assim, a receber candidaturas de empreendedores ou de empresas que queiram apoio deste Conselho Europeu da Inovação, projeto que está em fase piloto até 2020 e para o qual serão alocados dois milhões de euros em 2019 e 2020, após quase mil milhões aplicados no ano passado.

 

CRIAÇÃO DO CONSELHO EUROPEU DE INOVAÇÃO

Antes do debate de 21 e 22 de março no Conselho Europeu sobre a Inovação, a Indústria e a Competitividade, a Comissão tomou igualmente medidas decisivas para a criação de um Conselho Europeu de Inovação.

A concorrência mundial está a intensificar-se e a Europa precisa de aprofundar a sua capacidade de inovação e de assunção de riscos para competir num mercado cada vez mais definido pelas novas tecnologias.

É por esta razão que a Comissão Juncker está a criar um Conselho Europeu de Inovação (EIC) para transformar as descobertas científicas da Europa em empresas capazes de proceder a uma mais rápida transposição para uma maior escala.

Atualmente na sua fase piloto, o Conselho Europeu de Inovação estará a funcionar plenamente a partir de 2021, no âmbito do próximo Programa de Investigação e Inovação Horizonte Europa.

Em 2017, a Comissão lançou a fase piloto do Conselho Europeu de Inovação, introduzindo concursos gerais e entrevistas presenciais com vista a identificar e financiar as empresas em fase de arranque e as PME mais inovadoras na Europa.

Desde então, 1276 projetos altamente inovadores já beneficiaram de um financiamento global superior a 730 milhões de euros.

A Comissão anuncia hoje dois passos importantes que reforçarão as atividades nos dois anos remanescentes da fase-piloto do EIC:
 

  • Mais de 2 mil milhões de euros de financiamento em 2019-2020 que abrangem toda a cadeia de inovação: projetos «Pathfinder» (Pioneiro) destinados a apoiar tecnologias avançadas a partir da base de investigação (abre amanhã); e o financiamento do «Accelerator» (Acelerador) para ajudar as empresas em fase de arranque e as PME a desenvolverem e a transporem as inovações para uma maior escala até uma fase em que estas possam atrair o investimento privado (aberto em junho). No âmbito do «Accelerator», as empresas de financiamento poderão aceder a financiamento misto (subvenções e capitais próprios) num montante máximo de 15 milhões de euros.
     
  • A Comissão nomeará entre 15 a 20 líderes em inovação para um Conselho Consultivo do EIC que irá supervisionar a fase-piloto do EIC, preparar o futuro do EIC e ser o defensor do EIC a nível mundial. Os inovadores de todo o ecossistema são convidados a manifestar-se até 10 de maio.
     
  • A Comissão recrutará um primeiro grupo de «gestores de programa» com conhecimentos especializados em novas tecnologias para prestar apoio prático e a tempo inteiro aos projetos. O convite à apresentação de candidaturas será publicado em breve.
     
  • A Comissão anuncia também que foram hoje selecionadas mais 68 empresas em fase de arranque e PME para um financiamento global de 120 milhões de euros ao abrigo da atual fase piloto do EIC. As empresas estão, por exemplo, a desenvolver uma tecnologia de pagamentos em linha baseada na cadeia de blocos, novos ecrãs eficientes do ponto de vista energético e uma solução para combater o ruído do tráfego (REPARTIÇÃO  dos beneficiários por país e por setor).


Dada a crescente importância económica da inovação revolucionária e disruptiva e com base no sucesso da fase piloto do EIC, a Comissão propôs afetar 10 mil milhões de euros ao EIC no âmbito do Horizonte Europa, o programa de financiamento da investigação e inovação da UE para 2021-2027.

 
Saiba mais:

 

 

 

Fonte: Rep. CE Portugal/Expresso