COMPETE 2020 conta a história de Cinco Mulheres Empreendedoras

08/03/2018

No dia em que se celebra o Dia Internacional da Mulher, o Programa COMPETE 2020 conta a história de cinco mulheres que escolheram a Indústria para o seu percurso profissional e olham para ela como um sector motivante e repleto de desafios.

Esta semana, a Newsletter do COMPETE 2020 revela cinco histórias num sector, aparentemente masculino: a Indústria. Uma indústria gerida por Mulheres que de forma convicta e bem-sucedida mostram que este ou outro sector não tem género, apenas é preciso vontade, capacidade e resiliência.

 

CINCO MULHERES... CINCO HISTÓRIAS: EM COMUM A INDÚSTRIA 
 

| Elisabete Rita, um percurso no Associativismo, uma mulher que vê no sector Industrial grande possibilidade de progressão

| Cláudia Matos Pinheiro, uma mulher que considera a indústria um sector criativo e original onde o desafio é uma constante

| Pilar Morais, uma mulher que aprendeu que: humildade + ambição = combinação vitoriosa

| Andreia Fortes, vê na indústria um sector altamente motivante especialmente porque permite criar, transformar e ver obra feita

| Isabel Carneiro, uma mulher que vê na mudança um desafio


Para o programa que no contexto do Portugal 2020 tem os instrumentos convergentes para aumentar a competitividade económica, mobilizando e potenciando os seus recursos e competências, a temática da Igualdade de Género surge pela importância em capitalizar precisamente estes recursos e competências.

O talento, a criatividade e a tecnologia juntos determinarão como a Nova Revolução pode ser aproveitada para um crescimento económico sustentável e inúmeros benefícios para a sociedade.

No entanto, se metade do talento do mundo não estiver integrada nestas transformações compromete-se a inovação e arrisca-se um aumento da desigualdade.

A União Europeia está apenas a meio caminho de atingir a igualdade de géneros, e o progresso tem sido lento, com apenas melhorias marginais ao longo da última década. Os eurodeputados estão a pressionar para apresentar um conjunto de ações que elimine finalmente o fosso entre os géneros. 

As mulheres representam praticamente metade da força de trabalho da União Europeia. No entanto, continuam a ter pouca expressão em cargos de topo. Na UE existem 7,3 milhões de gestores, dos quais 35% são mulheres.

Em Portugal há 3,3 mulheres por cada dez cargos de gestão. A média está abaixo dos 35% registados no total da União Europeia e, não é só: em Portugal, cada mulher gestora recebe menos 25,9% do que um homem que ocupa a mesma função, também menos do que acontece na UE.

A diversidade é a palavra-chave do momento: as empresas são as primeiras a sublinhar que o equilíbrio entre género aumenta a competitividade.

As pesquisas mostram que o aumento da diversidade de género resulta em maior criatividade e resiliência e num ambiente de trabalho mais inovador.

Consulte a página do WEF: Without proper gender diversity, companies will fail.

 

Fonte: Compete 2020