FlexiRecover, uma aposta na economia circular com apoio do COMPETE 2020

08/02/2018

A valorização dos resíduos e subprodutos gerados na produção de espumas flexíveis de poliuretano é a divisa máxima do projeto FlexiRecover, cofinanciado pelo Programa Operacional COMPETE 2020 e promovido pela SAPEC Química em parceria com a Flexipol e a CICECO - Universidade de Aveiro.

O objetivo principal do projeto FlexiRecover consiste no desenvolvimento de um processo de produção de polióis a partir de resíduos e subprodutos de espumas flexíveis de poliuretano (PU), com qualidade para poderem ser reincorporados na produção de novas espumas, com uma percentagem de 10-20% do total de poliol virgem utilizado e cujos setores de aplicação são os fabricantes de espumas flexíveis de PU. 

Com as taxas de incorporação expectáveis, não deverão existir perdas significativas das propriedades físicas e químicas ao nível de: Resiliência; Compression-set húmido e seco; Dureza; Emissões; Rasgamento, alongamento e tração; Permeabilidade ao ar.

Este projeto na área da economia circular, também tem como objetivo aumentar a sustentabilidade das empresas através da diminuição da importação de matérias-primas, equilibrando a balança comercial e criar uma alternativa de escoamento dos subprodutos com valor acrescentado, reduzindo o risco inerente ao negócio”, refere Rui Silva, Diretor de I&D na Sapec Química. “Por outro lado, o projeto representa um grande investimento das empresas em inovação tecnológica e conhecimento”, acrescenta.

Caso se avance para a industrialização deste processo e se consubstancie o investimento que se prevê vir a envolver todos os elementos do consórcio - SAPEC Química, Flexipol e Universidade de Aveiro (CICECO) - deverá ser criada uma Spin off que inicialmente poderá dar resposta ao mercado Português e, em segunda instância, ao mercado Ibérico. 

Existem outras aplicações para o resultado do projeto FlexiRecover, dado que os polióis são precursores de uma vastíssima gama de produtos.

Assim, outros sectores de aplicação poderão ser a indústria das espumas de PU rígidas, nomeadamente com aplicações como o isolamento, embalagem (proteção) e outras com um grau de exigência inferior nas propriedades mecânicas e a indústria de CASE - coatings, adhesives, sealants and elastomers, entre outras.

No pós-projeto, perspetiva-se a construção de uma unidade de produção industrial de polióis a partir de resíduos de PUF em Portugal, conduzindo a um efeito em cadeia de criação de postos de trabalho, sobretudo qualificado, contribuindo de forma pró-ativa para a competitividade da empresa, da região onde esta se insere e, em última instância, do país, através do incremento da taxa e do volume de exportações.

O sucesso deste projeto estabelecerá condições para a criação de uma empresa (spin-off) partilhada pelas entidades privadas do consórcio, que explorará a produção de polióis a partir dos resíduos de espumas de poliuretano (PUF – PolyUrethane Foam).   

O projeto FlexiRecover é cofinanciado pelo COMPETE 2020 no âmbito do Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico, na vertente em co-promoção, envolvendo um investimento elegível de 1.3 milhões de euros, o que resultou num incentivo do FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, de 820 mil euros.

 

 

Fonte: Compete 2020