A A A

28/11/2019

Aprovada a nova Comissão Europeia que destaca o combate às alterações climáticas

O Parlamento Europeu aprovou ontem a nova Comissão Europeia liderada por Ursula von der Leyen, que reconheceu a importância dos fundos da União Europeia para Portugal, mas evitou comprometer-se com a reversão dos cortes previstos para a coesão.

 

Ao mesmo tempo lembou que há outros fundos "diferentes" para apoiar o país.

 

AMBIENTE É A NOVA ARMA DA COMISSÃO PARA PÔR UE A CRESCER

 

A nova presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, prometeu ontem no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, proceder a uma “verdadeira transformação” da Europa nos próximos cinco anos, sustentada num novo Green Deal para o COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS que será a “estratégia para o crescimento” e desenvolvimento económico, e a base para a promoção do emprego, da inovação e da liderança da União Europeia no palco global.
 

“A minha mensagem é simples: estamos preparados. Se fizermos bem o nosso trabalho, a Europa de 2050 será o primeiro continente neutro em carbono, e o continente com o melhor equilíbrio entre mercado e social”, anteviu. “A tarefa não é fácil, mas inspiremo-nos no espírito otimista e voluntário que há 30 anos fez cair a Cortina de Ferro”, disse Von der Leyen, que homenageou os “milhões de europeus” que hoje continuam “a querer fazer a diferença” nas suas vidas diárias.
 

“Nós também queremos fazer a diferença. Foi nesse espírito que construí a minha equipa, e que hoje vos peço a vossa confiança”, apelou ao plenário do Parlamento Europeu, no final do discurso em que apresentou os 26 comissários que designou para o seu colégio.
 

Com a promessa de apoio das três maiores famílias políticas do Parlamento Europeu, a aprovação estava garantida. Dos 707 eurodeputados presentes, 461 votaram a favor, 157 contra e 89 abstiveram-se: a alemã conseguiu o apoio de 61,6% dos eurodeputados, mais do que o seu antecessor, Jean-Claude Juncker, obteve em 2014 (56,3%).

 

A nova Comissão Europeia entra em funções no próximo domingo dia 1 de dezembro: “Vamos ao trabalho!”, pediu Ursula von der Leyen, que enumerou várias iniciativas que pretende desenvolver em conjunto ou colaboração com os eurodeputados.

 

O “trabalho” tem uma direção muito clara: Von der Leyen quer ver a União Europeia assumir a liderança mundial no combate às alterações climáticas, com a promoção de uma “transição geracional para a neutralidade carbónica, que terá de acontecer de uma forma justa e inclusiva ou não acontecerá”, precisou.
 

Para a próxima líder comunitária, não se pode perder nem mais um segundo na resposta à emergência climática começa mesmo a sua presidência participando, na segunda-feira, na conferência do clima das Nações Unidas (COP 25), em Madrid.

 

A presidente prometeu constituir uma equipa executiva com o mesmo número de homens e mulheres e por pouco não conseguiu: com ela, serão 12 mulheres e 15 homens. “Fizemos progressos, mas precisamos de fazer mais”, notou, assegurando que o objetivo de paridade de género não se resume ao colégio de comissários.

 

 

Fonte: PE/Publico/Eco

Tem dúvidas?
outros conteúdos
Partilhe o site PT2020
Conheça o portal do Portugal 2020! Apoiamos o seu investimento. O sucesso do Portugal 2020 é decisivo para o futuro do nosso país.
Topo