A A A

27/08/2020

Programa 'Comércio Digital' com novidades para apoiar a Economia

O Programa Comércio Digital, cofinanciado pelo COMPETE 2020, que visa promover a digitalização de mais de cinquenta mil empresas da área do comércio e dos serviços, apresentou Novas Ações para ajudar a relançar a economia nacional na fase pós-COVID-19.

 

O Comércio Digital, que junta a ACEPI - Associação da Economia Digital, a CCP -  Confederação do Comércio e dos Serviços de Portugal, e é cofinanciado pelo Programa Operacional COMPETE 2020, arranca com uma segunda fase após um interregno provocado pela pandemia.

 

O Programa que existe para promover a transformação digital das empresas portuguesas, foi agora reforçado para ajudar o comércio local a vencer os desafios colocados pelo fecho ou diminuição de atividade.

 

Alexandre Nilo Fonseca, presidente da ACEPI, esclareceu que «com a pandemia da COVID-19 muitos pequenos comerciantes perceberam que têm de ter uma presença online e a ACEPI quer apoiá-los nesta jornada» sendo o programa vocacionado exatamente no sentido do «desenvolvimento das competências digitais dos comerciantes».

 

As iniciativas incluem:

 

 

  • A Academia Comércio Digital - uma plataforma online que disponibiliza conteúdos formativos e ferramentas de capacitação para a economia digital;

 

  • Uma campanha especial de adesão ao Selo Confio.pt - um certificado atribuído aos websites que cumpram as melhores práticas do mercado digital;

 

  • Voucher 3 em 1 - que permite um registo de um domínio .pt gratuito pelo período dum ano, acesso a caixas de email e a ferramentas de construção e alojamento de websites;

 

 

  • Uma linha telefónica gratuita de apoio (800 100 236).

 

João Torres, secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor disse, na sessão de apresentação realizada no Ministério da Economia, que o projeto «é absolutamente estruturante para o incremento da economia e do sector do comércio».

 

A importância do e-commerce e do digital foi igualmente referida pelo Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, que salientou que «sem o digital, teria sido mais difícil para todos assegurar o acesso a bens e a serviços fundamentais» durante o confinamento. O membro do Governo esclareceu ainda que foi o digital que «permitiu a muitos operadores económicos, a muitas empresas do sector do comércio conseguissem manter a atividade».

 

Na apresentação, Alexandre Nilo Fonseca explicou ainda que a pandemia alterou a forma como os consumidores nacionais utilizam a Internet: «Há mais portugueses a utilizar o digital, a fazer compras online. Começamos a ver isso nos estudos sobre o impacto da COVID e há também mais sofisticação, há mais utilizadores avançados, ou seja, a usar o homebaking e os serviços online».

 

Outro aspeto realçado pelo responsável é que os portugueses «começaram a comprar mais em Portugal», algo que não acontecia até agora: «Na Europa, éramos a população que mais comprava fora do país. No confinamento houve compras quase em exclusivo em sites do mercado interno».

 

Para Alexandre Nilo Fonseca, este novo hábito é mesmo uma boa notícia para a economia, a par do «aumento da oferta digital portuguesa. Isto é muito importante para o desenvolvimento dos negócios, não só para o mercado interno, mas também para exportações, no futuro».

 

Por outro lado, o presidente da ACEPI destacou o aumento do «comércio electrónico de proximidade», a criação de «marketplaces sectoriais e regionais» e o facto de cada vez mais «comerciantes aceitarem pagamentos digitais», como impactos positivos deixados pela pandemia e que irão ajudar o país na sua recuperação económica.

 

 

 

 

Fonte: BusinessIt/ACEPI/ComercioDigital

Tem dúvidas?
outros conteúdos
Partilhe o site PT2020
Conheça o portal do Portugal 2020! Apoiamos o seu investimento. O sucesso do Portugal 2020 é decisivo para o futuro do nosso país.
Topo