A A A

23/01/2020

TCE conclui que Instrumento a favor das PME é eficaz no apoio à Inovação

Segundo um novo RELATÓRIO do Tribunal de Contas Europeu (TCE), o Instrumento a favor das PME - Pequenas e Médias Empresas, presta um apoio eficaz no desenvolvimento dos projetos de Inovação, tendo sido financiados mais de 5 000 projetos ajudando as PME a atrair investimento adicional.

 

Dotado de 3 mil milhões de euros para o período de 2014-2020, o Instrumento PME procura apoiar a Inovação em PME e empresas em fase de arranque, colmatando a lacuna de financiamento e aumentando a comercialização dos resultados da investigação.

 

O Tribunal avaliou se o Instrumento a favor das PME permite obter os benefícios esperados, tendo constatado globalmente que lhes presta um apoio eficaz no desenvolvimento dos seus projetos de inovação e que a marca da UE as ajuda a atrair investimento adicional.

 

No entanto, o Tribunal recomenda a melhoria da determinação dos beneficiários, do alcance geográfico e da seleção de projetos. Além disso, é possível fazer mais para atrair financiamento adicional para levar os projetos de inovação ao mercado.

 

A Comissão Europeia lançou o Instrumento a favor das PME em 2014 para apoiar a Inovação nas Pequenas e Médias Empresas e nas empresas em fase de arranque.

 

O Instrumento PME foi criado no âmbito do Programa-Quadro de Investigação HORIZONTE 2020, e concede subvenções a empresas com elevado potencial para as apoiar na elaboração de estudos de viabilidade (fase 1) e na realização de atividades de Investigação e Desenvolvimento (I&D) e de testes de mercado (fase 2).

 

Com um orçamento global de 3 mil milhões de euros para o período de 2014-2020, o seu objetivo é colmatar a lacuna de financiamento na inovação e aumentar a comercialização pelo setor privado dos resultados da investigação.

 

Para avaliar se o Instrumento a favor das PME apoia efetivamente a inovação por parte das PME, o Tribunal centrou-se na sua conceção, gestão e realizações.

 

Concluiu que presta claramente um apoio útil e eficaz às PME e às empresas em fase de arranque.

 

Além disso, concede a marca da UE, que confere visibilidade aos projetos e os ajuda a angariar investimento adicional.

 

Apesar de um arranque tardio, permite também o acesso a serviços de aceleração empresarial, ainda que a adesão tenha sido reduzida. O Tribunal acrescenta que estes serviços não foram suficientemente adaptados às necessidades dos beneficiários.

 

De acordo com o relatório anual da Comissão Europeia sobre as PME relativo a 2017/2018, estas representam na UE 99% das empresas do setor não financeiro, 66% do emprego total e 57% do valor acrescentado no setor não financeiro.

 

Consulte aqui o documento:

 

| RELATÓRIO ESPECIAL - Instrumento a favor das PME na prática: um programa eficaz e inovador que enfrenta dificuldades

 

 

Fonte: TCE/SQS

 

Tem dúvidas?
outros conteúdos
Partilhe o site PT2020
Conheça o portal do Portugal 2020! Apoiamos o seu investimento. O sucesso do Portugal 2020 é decisivo para o futuro do nosso país.
Topo