A A A

05/02/2020

‘Amigos da Coesão’ apresentam posição sobre orçamento da UE em Bruxelas

Realizam-se hoje uma série de encontros em Bruxelas entre o primeiro-ministro, António Costa, e altos responsáveis europeus, incluindo o presidente do Conselho, para dar conta das conclusões da Cimeira dos ‘Amigos da Coesão’ sobre o orçamento plurianual da União Europeia (UE).

 

A todos os dirigentes europeus, o primeiro-ministro dará conta da Declaração conjunta de Beja, na qual os ‘Amigos da Coesão’ reafirmaram a sua firme oposição a cortes nesta política no futuro quadro financeiro da União Europeia para 2021-2027, defendendo que deve ser pelo menos mantido o financiamento do quadro ainda em vigor (2014-2020) em termos reais.

 

No final do encontro do passado sábado em Beja, António Costa defendeu ser “urgente” que a União Europeia chegue a “um acordo global” sobre o orçamento comunitário 2021-2027 e considerou que “há todas as condições” para o fazer até junho, durante a presidência croata do Conselho da UE (primeiro semestre do ano).

 

Quatro dias depois da reunião de Beja, que juntou representantes de 17 Estados-membros, e a cerca de duas semanas de uma cimeira extraordinária em Bruxelas dos chefes de Estado e de Governo da UE para tentar chegar a um compromisso sobre o orçamento da União pós-2020, Costa reúne esta quarta-feira com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que chamou a si a condução das negociações entre os 27 e presidirá aos trabalhos do Conselho Europeu extraordinária de 20 de fevereiro.

 

Além do encontro com Charles Michel, António Costa tem também previstas, entre outras, reuniões com o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, com os presidentes das comissões parlamentares de Desenvolvimento Regional e de Orçamentos, e com os presidentes do Comité das Regiões e do Comité Económico e Social Europeu, estes dois últimos órgãos consultivos da UE.

 

 

Fonte: Rep. Portuguesa

Tem dúvidas?
outros conteúdos
Partilhe o site PT2020
Conheça o portal do Portugal 2020! Apoiamos o seu investimento. O sucesso do Portugal 2020 é decisivo para o futuro do nosso país.
Topo